Maria Mire

CV Maria Mire (Maputo,1979). Vive e trabalha em Lisboa. O trabalho artístico e de investigação que desenvolve desde 2001 é sobretudo centrado nas questões da percepção da imagem em movimento. Doutorada em Arte e Design pela Faculdade de Belas Artes do Porto em 2016, com a tese “Fantasmagorias: a imagem em movimento no campo das Artes Plásticas”. Actualmente é professora e co-responsável do Departamento de Cinema/Imagem em Movimento do Ar.Co., em Lisboa. Leccionou entre 2010 e 2018 no Departamento de Multimédia da Faculdade de Belas Artes do Porto, e entre 2011 e 2015 no Curso de Comunicação Audiovisual e Multimédia
 da Universidade Lusófona do Porto. Integrou diversos projectos artísticos colaborativos, dos quais se destacam o Colectivo Embankment [criado em 2005, com Aida Castro e Jonathan Saldanha]; Plataforma Ma [criada em 2009, com Catarina Marto e Aida Castro]; ou Patê Filmes [criada em 2006, com Luísa Homem e Pedro Pinho]. Resultando, destas colaborações, exposições como “Embankment #9 / Ao Monte" (Porto, Maus Hábitos, 2016) e "Embankment #8 / Curators' Lab: Documentação e Discurso" (Guimarães 2012 - Capital Europeia da Cultura), assim como os projectos de curadoria "Antena 4: Embankment #7" (Serralves, 2010), “TÉLÉTHÈQUE: Encontros Videográficos” (Institut Français du Portugal, 2010). Actualmente, para além de estar a preparar um filme sobre a médica Cesina Bermudes, desenvolve um projecto colaborativo no âmbito da dupla artística recém criada com Aida Castro, que lançou em 2018 a publicação "Mácula/INLAND JOURNAL 3", a convite de Eduardo Matos e André Cepeda.