Cineclube Ar.Co 19/20 - A Cidade Sensorial
10 Dezembro às 21h no Ar.Co Xabregas

Segundo Programa do CineClube Ar.Co - A Cidade Sensorial

O filme da sinfonia da cidade emergiu na década de 1920, exibindo a grandeza da produtividade e do progresso através de um estilo de montagem que imitava o rolar da engrenagem do tempo na nova e empreendedora urbe.

Afastando-se do personalizado e focando-se na esfera mais vasta da paisagem urbana, os filmes punham em cena um corpo humano que não era já o da emoção e da individualidade mas o da destreza técnica, cujo tempo e movimento uniformes se sincronizavam com a humanidade no seu todo, com as máquinas e com a cidade.

Este cinema foi criticado pelo seu carácter impessoal – e pela sua redução do corpo humano ao corpo de uma máquina. Mas visto de um outro prisma, o seu uso de um tempo cinemático que replica a aceleração e desaceleração do dia de trabalho permitia um novo entendimento do ambiente urbano: a cidade tinha uma pulsação, passível de se acordar com os ritmos internos do corpo humano através do tempo cinematográfico.

A industrialização deu lugar, no presente, ao digital e aos automatismos tecnológicos – que já não requerem a presença operativa de um corpo humano para fazer rolar os maquinismos. Pelo contrário, a sincronização do movimento humano alterou-se para favorecer os resultados do sedentarismo individual.

O salto da modalidade rítmica do industrial para a que se lhe seguiu despertou a nossa atenção para as fissuras no tecido das cidades: marginalização, isolamento e divisões, que não são imposições apenas sociais, mas geográficas e estruturais.

No mundo do tempo fraccionado e desarticulado das 24 horas/7 dias por semana, como pode a linguagem fílmica desvendar as correntes sensoriais e efémeras dos nossos ambientes naturais e urbanos construídos, de um modo que nos permita conectar com novas pulsações?

O programa do CineClube deste ano dedicar-se-á a filmes que explorem o ambiente urbano, da década de 1920 até ao presente, mostrando os modos como o filme interage com o bater do coração urbano.

Primeira sessão; 10 de Dezembro às 21h na Sala Teórica do Ar.Co, Xabregas. Entrada Livre.

A nossa primeira sessão considera metodologias introduzidas nos primeiros filmes de “sinfonia da cidade”, metodologias que assinalam um movimento da subjectividade do individual para as marés e refluxos da urbanidade. Do alto dos arranha-céus de "Manhatta" (1921) de Paul Strand, à interconectividade de um dia na vida de Paris em "Rien Que Les Heures" (1926) de Alberto Cavalcanti e à sincronicidade entre os ambientes naturais e construídos de "Douro, Faina Fluvial" (1931) de Manoel de Oliveira – este programa de curtas metragens explora os novos modos através dos quais os realizadores compreenderam o maquinismo em movimento das cidades.

“Manhatta” (1921) - Dir. Charles Sheeler & Paul Strand – 10´

“Rien Que Les Heures” (1926) - Dir. Alberto Cavalcanti – 45´

“Douro, Faina Fluvial” (1931) - Dir. Manoel de Oliveira – 21´

Antigo Mercado de Xabregas
Rua Gualdim Pais
1900-255 Lisboa

T 218 801 010

www.arco.pt

observações:

Próximas sessões:

28 de Janeiro, 24 de Março, 28 de Abril, 26 de Maio

Local: Sala Teórica do Ar.Co - Centro de Arte e  Comunicação Visual
Antigo Mercado de Xabregas
Rua Gualdim Pais 1900-255 lisboa
Entrada Livre

Programa  realizado no âmbito do ano lectivo 2019/20 do Departamento de Cinema/Imagem em Movimento do Ar.Co

O Ar.Co é apoiado por:

Ministério da Cultura | Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior / Ciência Viva – Agência Nacional para a Cultura Científica e Tecnológica | Ministério da Educação | Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social / Instituto do Emprego e Formação Profissional | Câmara Municipal de Lisboa | Câmara Municipal de Almada | Fundação Calouste Gulbenkian | Fundação Carmona e Costa | Fundação Millennium BCP | Fundação Altice Portugal | Balaclava | CIN | Hovione | Mapei | Sistema Solar/Documenta | Ana Martinho | Bruno Costa Cabral | João Esteves de Oliveira | José Luís da Cruz Vilaça | Leonor e António Parreira | Rui Macieira

Pode ver mais newsletters aqui.